CartaExpressa

PoderData: Lula venceria com folga qualquer adversário no 2º turno; Moro perderia por 17 pontos

O ex-juiz seria o mais ‘competitivo’ na disputa com o petista; Bolsonaro seria derrotado por 23 pontos

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foto: Ricardo Stuckert
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foto: Ricardo Stuckert

Pesquisa PoderData divulgada nesta quarta-feira 24 mostra que Lula (PT) mantém a liderança de todos os cenários de 1º e 2º turnos considerados para as eleições presidenciais de 2022.

No 1º, o petista marca 34%, contra 29% de Jair Bolsonaro. Aparecem na sequência Sergio Moro (Podemos), com 8%, tecnicamente empatado com Ciro Gomes (PDT), que tem 7%, e com João Doria (PSDB), com 5%. Ainda pontuam Luiz Henrique Mandetta (DEM), com 3%, e Cabo Daciolo (Brasil 35) e Alessandro Vieira (Cidadania), com 2% cada.

No 2º cenário, com uma troca de candidatos tucanos, Lula tem 36%, ante 27% de Bolsonaro. Atrás, pontuam Ciro, com 9%; Moro, com 8%; Eduardo Leite (PSDB), com 5%; Daciolo, com 3%; Mandetta, com 2%; e Vieira, com 1%.

O levantamento também aponta que Lula venceria qualquer adversário considerado no 2º turno: Moro, por 48% a 31%; Bolsonaro, por 54% a 31%; Doria, por 47% a 24%; Leite, por 50% a 20%; e Pacheco, por 31% a 14%.

O PoderData realizou 2.500 entrevistas por telefone em 459 municípios nas 27 unidades da Federação entre 22 e 24 de novembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!