CartaExpressa

PL corta o salário de Braga Netto após operação sobre trama golpista

A decisão também atinge o coronel Marcelo Câmara, ex-assessor de Jair Bolsonaro

Braga Netto e Jair Bolsonaro. Foto: EVARISTO SA / AFP
Apoie Siga-nos no

O PL decidiu suspender o pagamento de salários do general da reserva Walter Braga Netto, ex-ministro e ex-candidato a vice-presidente, e do coronel Marcelo Câmara, ex-assessor de Jair Bolsonaro (PL).

A exemplo do presidente do PL, Valdemar Costa Neto, Braga Netto e Câmara estiveram entre os alvos da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal em 8 de fevereiro a fim de apurar uma trama golpista para impedir a posse de Lula (PT) em 2022.

De acordo com a prestação de contas do PL em 2023, enviada ao Tribunal Superior Eleitoral, Braga Netto recebeu 386,1 mil reais ao longo do ano passado, em 14 pagamentos. Ele é oficialmente o secretário nacional de Relações Institucionais da sigla.

Os repasses a Marcelo Câmara, por sua vez, totalizaram 55,5 mil reais, em três parcelas (pagas em outubro, novembro e dezembro).

Nos dois casos, os pagamentos ocorreram sob a rubrica de “Serviços técnico-profissionais”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar