CartaExpressa

PF diz que bolsonaristas usam método de Trump e Bannon para atacar democracia

PF diz que bolsonaristas usam método de Trump e Bannon para atacar democracia

Documento enviado ao TSE diz que apoiadores do presidente utilizam estratégias para diminuir a fronteira entre a verdade e a mentira

Presidente Jair Bolsonaro assina livro de visitas da Casa Branca ao lado de Donald Trump (Foto: Alan Santos/PR)

Presidente Jair Bolsonaro assina livro de visitas da Casa Branca ao lado de Donald Trump (Foto: Alan Santos/PR)

A Polícia Federal confirmou, em documento enviado ao Tribunal Superior Eleitoral, que apoiadores do presidente Jair Bolsonaro usam as redes sociais em uma estratégia de comunicação utilizada por Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump, na eleição dos EUA em 2016 e na brasileira de 2018. A informação é da Folha de S.Paulo e da TV Globo.

No documento, a PF afirma que canais bolsonaristas atuam com o objetivo de “diminuir a fronteira entre o que é verdade e o que é mentira” e usam como modelo ataques aos veículos tradicionais de informação. O método, segundo a corporação, também foi aplicado na campanha contra as urnas eletrônicas.

De acordo com o relatório, “a prática visa, mais do que uma ferramenta de uso político-ideológico, um meio para obtenção de lucro, a partir de sistemas de monetização oferecido pelas plataformas de redes sociais. Transforma rapidamente ideologia em mercadoria, levando os disseminadores a estimular a polarização e o acirramento do debate para manter o fluxo de dinheiro pelo número de visualizações”.

“Além disso, promove ataque aos veículos tradicionais de difusão de informação (jornais, rádio, TV etc.), de modo a atingir o seu público de forma direta, horizontal, ao dissipar a distinção entre o que é informação e o que é opinião”, diz o texto assinado pela delegada Denisse Ribeiro.

Segundo a PF, trata-se de “um modelo exitoso de influência baseado na forma como os indivíduos percebem, aprendem, absorvem e difundem as informações que outros fornecem no processo de comunicação (psicologia cognitiva), identificando-se seu emprego tanto nas eleições americanas de 2016, quanto, em maior ou menor escala, nas eleições brasileiras de 2018”.

O documento aponta ainda indícios de participação do presidente Bolsonaro, dos seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro, além de parlamentares como as deputadas Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP).

“Quanto mais polêmica e afrontosa às instituições for a mensagem, maior o impacto no número de visualizações e doações, reverberando na quantidade de canais e no alcance do maior número de pessoas, aumentando a polarização e gerando instabilidade por alimentar a suspeição do processo eleitoral, ao mesmo tempo que promove a antecipação da campanha de 2022”, diz o relatório.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem