CartaExpressa

Partidos se reúnem nesta semana para definir apoio ao impeachment de Bolsonaro

Ao menos quatro legendas devem fechar uma posição sobre o processo nos próximos dias após ameaças do presidente

O presidente Jair Bolsonaro no 7 de Setembro. Foto: Reprodução/Redes Sociais
O presidente Jair Bolsonaro no 7 de Setembro. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Ao menos quatro partidos devem se reunir nesta semana para definir oficialmente suas posições sobre o impeachment de Jair Bolsonaro.

As legendas ainda não haviam fechado questão sobre o caso, mas, diante das ameaças recentes do presidente durante os atos antidemocráticos do 7 de Setembro, avaliaram ser necessário definir suas posições. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que não irá mais cumprir decisões do ministro do Supremo Alexandre de Moraes.

PSD, PSDB, e Solidariedade farão um encontro com os seus dirigentes nacionais. A tendência é de que os três partidos passem a apoiar oficialmente o impedimento. Em linha mais definida, o PDT diz que ‘busca reunir democratas’ nesta semana para articular mais votos em favor do processo.

O primeiro a anunciar a reunião foi o PSDB, via nota nas redes sociais. O encontro foi convocado pelo presidente da sigla, Bruno Araújo, já para esta quarta-feira 8 e motivado pelas ‘gravíssimas declarações do presidente’ proferidas nos atos do dia 7.

No início da noite de terça, também motivado pelos discursos do ex-capitão, o presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, confirmou via redes sociais a reunião do partido. Segundo Paulinho, Bolsonaro ‘afrontou a democracia e deu provas de que não vai parar com os ataques às instituições’. O dirigente publicou em seguida que a sua posição pessoal é pelo impedimento.

Ainda na noite de terça, o PSD de Gilberto Kassab seguiu linha semelhante. Em nota publicada no site, o partido afirmou ter criado uma comissão para acompanhar o processo de impeachment que será formada pelos líderes do partido na Câmara, Antonio Brito, e no Senado, Nelson Trad, além do próprio Kassab.

“Tivemos hoje a temperatura mais elevada, manifestações muito duras, acima do tom. Começam a surgir indicativos importantes, que podem justificar o impeachment. A fala de que o presidente não vai acatar decisões judiciais é muito preocupante”, diz um trecho da nota.

O PDT, por sua vez, já era favorável ao processo, mas confirmou que pretende ampliar a articulação por mais votos para barrar o atual presidente. A confirmação foi dada por Carlos Lupi, dirigente nacional do partido, em entrevista à rádio Jovem Pan nesta quarta-feira.

Na conversa, Lupi afirmou que Bolsonaro ‘extrapolou todos os limites aceitáveis’ durante os atos de terça. Segundo informou, o PDT já encaminhou convites ao Cidadania, PSB, PT, PSOL, PSD, DEM e MDB.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!