CartaExpressa

Para blindar Bolsonaro, Centrão estaria articulando mandato vitalício no Senado

Manobra estaria sendo desenhada, segundo o G1, por meio de uma PEC que oferece o cargo a todos os ex-presidentes

Foto: Reprodução Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Líderes do Centrão estariam se movimentando para uma verdadeira operação de blindagem em favor de Jair Bolsonaro no pós- 2022. A ideia? Criar o cargo de senador vitalício, ocupado por ex-presidentes, visando dar imunidade parlamentar ao ex-capitão em caso de não reeleição.

A suposta articulação foi revelada no podcast Papo de Política, do portal G1, nesta sexta-feira 29. Parlamentares estariam, segundo o portal, trabalhando para apresentar em breve uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) criando o novo cargo. A cadeira seria honorífica e sem remuneração. Com voz e espaço na tribuna do Senado, mas sem poder de voto.

A criação do cargo de senador vitalício não é exatamente nova e já surgiu no debate parlamentar em outras ocasiões, como em 2002 e em 2015. Nos dois casos, o projeto foi rejeitado em plenário.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.