CartaExpressa

Onda de violência: Aviões da PF levam mais 90 agentes da Força Nacional ao RN

As aeronaves também levaram armamentos ao estado, que enfrenta uma onda de violência desde a terça-feira 14

Cidades do estado são vítimas de ataques desde a terça-feira 14. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Aeronaves da Polícia Federal levaram, nesta sexta-feira 17, armamentos e mais 90 homens da Força Nacional ao Rio Grande do Norte.

O secretário Nacional de Segurança Pública, Tadeu Alencar, também embarcou para Natal, onde terá uma reunião com a governadora Fátima Bezerra (PT) e integrantes do gabinete de crise anunciado para conter a onda de violência no estado.

Desde as primeiras horas da última terça-feira 14, 44 cidades do RN sofreram ataques criminosos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, pelo menos 72 pessoas foram presas.

Também está prevista para o sábado 18 a chegada de 300 agentes da Polícia Rodoviária Federal, após autorização do Ministério da Justiça. Os agentes serão deslocados para montar bloqueios em estradas e colaborar com o patrulhamento nas cidades com maior número de ataques.

Nesta manhã, uma operação conjunta das polícias Civil, Militar e Federal foi deflagrada para combater crimes de tráfico de drogas e organização criminosa. Cerca de 150 agentes foram às ruas para cumprir 30 mandados de prisão e 24 de busca e apreensão em Natal, Parnamirim e Nísia Floresta.

Entre os alvos está um dos líderes de uma facção criminosa apontado como responsável por ordenar os recentes ataques no estado. Os investigados poderão responder por organização criminosa e tráfico de drogas e, se condenados, cumprir pena de até 23 anos de reclusão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar