CartaExpressa

O tamanho da influência de Lula e Bolsonaro nas eleições municipais, segundo a Atlas

O levantamento mostrou uma preferência apertada entre os eleitores sobre o alinhamento político de seus possíveis candidatos a prefeitos e vereadores

Lula e Jair Bolsonaro. Fotos: Ricardo Stuckert e Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

Uma pesquisa Atlas Intel publicada nesta sexta-feira 8 mediu a temperatura da polarização do País no cenário das eleições municipais.

O levantamento mostrou, por exemplo, uma preferência apertada entre os eleitores entre o alinhamento político de seus possíveis candidatos. 39,1% disseram preferir candidatos que se digam alinhados ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL); enquanto 37,8% preferem candidatos alinhados ao presidente Lula (PT).

Entre os eleitores que preferem Bolsonaro, 76% disseram que o alinhamento político é muito importante ao definir um voto para prefeito; 71% para vereador.

Já entre os eleitores de Lula, 59% dizem ser muito importante o alinhamento político para a escolha de um prefeito; e 55% para vereador.

A pesquisa também questionou aos eleitores já polarizados, se eles votariam em prefeitos ou vereadores que não estivessem alinhados a Lula ou Bolsonaro. Entre os simpatizantes de Bolsonaro, 39,7% afirmaram que não votariam em candidatos não aliados ao ex-presidente; 30,3% disseram que sim, desde que não alinhados a Lula; e 30% assinalaram que com certeza votariam em candidatos não alinhados.

Entre os simpatizantes a Lula, 44,3% disseram que votariam em outros candidatos, desde que não alinhados a Bolsonaro; 42,1% apontaram que só votariam em candidatos alinhados ao petista; e 14,5% que votariam em nomes não alinhados.

A pesquisa aferiu que apenas 23% dos eleitores não têm preferência por uma aliança política seja com Lula ou Bolsonaro. 40% se colocam como disponíveis para votar em candidatos não alinhados.

Outro dado é que um candidato alinhado politicamente ao centro, em um possível segundo turno, teria preferência entre os eleitores sendo de 60,9% contra um candidato bolsonarista e 62,1% contra um candidato lulista.

A pesquisa foi realizada de 4 a 7 de março e contou com 2122 respondentes entre a população brasileira adulta. O levantamento tem nível de confiança de 95% e margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.