CartaExpressa

Número 2 de Haddad defende taxar super-ricos para combater mudanças climáticas

Falas de Durigan foram em uma pública no Senado Federal

Secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dário Durigan Dário Durigan. Foto: Saulo Cruz/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

Dario Durigan, secretário-executivo do Ministério da Fazenda, defendeu nesta segunda-feira 27 a taxação de grandes fortunas para o Brasil obter recursos para enfrentar mudanças climáticas.

“É preciso olhar tanto para a nossa discussão no G20, de tributação dos mais ricos, para poder financiar, do ponto de vista global, a resposta às mudanças climáticas, à fome, aos desalojados climáticos, é preciso olhar para o Brasil, a gente está vivendo essa realidade”, disse o número 2 da pasta chefiada por Fernando Haddad.

As falas de Durigan foram em uma pública no Senado Federal para debater sobre a catástrofe no Rio Grande do Sul.

Na última semana, o ministro Haddad afirmou que a tributação global de 2% da renda dos super-ricos está ganhando a adesão de países. Segundo ele, caso vire realidade, a taxação beneficiará a humanidade de forma inédita.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar