CartaExpressa

Novo pede a institutos a inclusão de Deltan em pesquisas sobre a prefeitura de Curitiba

A legenda tende, porém, a enfrentar obstáculos jurídicos para lançar o deputado cassado

O deputado federal cassado Deltan Dallagnol. Foto: Lula Marques/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Novo enviou ofícios a institutos de pesquisa brasileiros nos quais solicita que Deltan Dallagnol  seja considerado nos levantamentos de intenção de voto para a prefeitura de Curitiba (PR).

O documento, obtido por CartaCapital, leva a assinatura de Lucas Santos, presidente do diretório paranaense do Novo.

A legenda tende, porém, a enfrentar obstáculos jurídicos. Em maio de 2023, por decisão unânime, o Tribunal Superior Eleitoral cassou o mandato de deputado federal de Deltan com base na Lei da Ficha Limpa.

Segundo a tese vencedora no TSE, uma “manobra” de Deltan para deixar o Ministério Público Federal e se candidatar à Câmara “impediu que os 15 procedimentos administrativos em trâmite no CNMP em seu desfavor viessem a gerar processos administrativos disciplinares, que poderiam ensejar pena de aposentadoria compulsória ou perda do cargo”.

A decisão da Justiça Eleitoral, no entanto, não esclarece se ele está impedido de concorrer pelos oito anos seguintes. A se confirmar a proibição, o ex-procurador da Lava Jato também não poderia disputar, pelo menos, o pleito de 2026.

No ofício enviado aos institutos de pesquisa, o Novo afirma que Deltan é pré-candidato em Curitiba e pede que seu nome “seja incluído nas pesquisas de opinião que forem realizadas para conhecimento público, relativas à supramencionada disputa eleitoral”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.