CartaExpressa

Nas redes sociais, vacina “chinesa” é foco central de polarização

Nas redes sociais, vacina “chinesa” é foco central de polarização

Às vésperas das eleições municipais, a vacina “chinesa” é foco central de polarização política no Brasil. É o que mostra a pesquisa feita pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da FGV com dados de Twitter, Instagram, Facebook e Youtube, entre 1º e 27 de outubro.

O levantamento identificou milhões de postagens, vídeos, interações e conteúdos políticos sobre o acordo de vacinação entre São Paulo e China.

Houve 2 milhões de postagens sobre o assunto. O núcleo alinhado ao governo de Jair Bolsonaro, com influenciadores nacionais, concentra 24% dos perfis e a maior parte das interações: 56% — ou seja, em forte campanha de engajamento contrário à vacina “chinesa”.

E, do outro lado, com discussão mais fragmentada e com a participação da maior parte dos perfis, uma parte pró-imunização e em defesa da vacinação obrigatória  reúne 47% dos perfis, mas somente 32% das interações, e junta-se a uma outra base de perfis, sem alinhamento político explícito, e que agrega 20% dos perfis.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem