CartaExpressa,Justiça

‘Não tenho do que reclamar’, diz Fux sobre ritmo de vacinação após receber 1ª dose

‘Não tenho do que reclamar’, diz Fux sobre ritmo de vacinação após receber 1ª dose

Presidente do Supremo Tribunal Federal afirmou não ter 'expertise' para comentar a velocidade da vacinação no País

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux. Foto: Nelson Jr/SCO/STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux. Foto: Nelson Jr/SCO/STF

O ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux afirmou “não ter do que reclamar” em relação ao ritmo de vacinação contra a Covid-19 no País ao receber, nesta sexta-feira 02, a primeira dose do imunizante no Rio de Janeiro.

Ao ser questionado sobre o ritmo ainda lento de vacinação no Brasil, que notoriamente possui ampla capilaridade para atingir maiores cifras com o Programa Nacional de Imunização (PNI), Fux não se aprofundou por, segundo ele, não ter “expertise para saber como outros países estão evoluindo”.

“Eu não tenho do que reclamar, porque tô tendo a oportunidade de me vacinar hoje.”, declarou à imprensa presente na sede do Museu da Justiça, no Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ).

 

 

O ministro, de 67 anos, é o 4º integrante do Supremo a ser vacinado.

A percepção de Fux, no entanto, não é compartilhada pela população brasileira. Segundo pesquisa DataFolha divulgada no fim de março, 76% dos brasileiros acreditam a vacinação segue em ritmo mais lento do que deveria. Para 18%, a imunização está sendo feita em velocidade adequada. Apenas 6% veem as vacinas sendo aplicadas de forma mais rápida do que deveria.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem