CartaExpressa

‘Não queremos o inclusivismo’, diz Milton Ribeiro sobre crianças com deficiência em escolas

Para o ministro da Educação, as crianças não teriam condições de acompanhar o que está sendo ensinado pelos professores

O ministro da Educação Milton Ribeiro. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O ministro da Educação Milton Ribeiro. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que o governo do presidente Jair Bolsonaro não quer incluir crianças com deficiência nas escolas. Esta é a terceira vez em apenas duas semanas em que Ribeiro defende a segregação de crianças com deficiência, em outra ocasião o ministro chegou a dizer que elas ‘atrapalhavam’ as demais. A declaração foi dada em entrevista à rádio Jovem Pan na segunda-feira 23.

“Nós não queremos o inclusivismo, criticam essa minha terminologia, mas é essa mesmo que eu continuo a usar”, explicou o ministro ao defender a posição do governo sobre separar uma sala apenas para crianças com deficiência.

Segundo o ministro, o Brasil tem hoje 12% de crianças matriculadas em escolas públicas com algum tipo de deficiência que ‘impede dela ter o convívio’ com outras dentro de sala de aula. Para o ministro, essa parcela, em que estariam cegos, surdos e autistas, não tem condições de acompanhar o que está sendo ensinado pelos professores e ‘prejudicaria o progresso’ dos colegas.

“Não deixando de lado os deficientes, mas olhando também os outros 88% dos alunos que eventualmente podem ter também… Eu, quando usei a palavra atrapalhar eu fui infeliz, eu disse isso, mas usando com todo cuidado, vou fazer novamente, se usei a palavra atrapalhar, um atrapalha o outro. Nesse sentido de caminhar na educação. A palavra atrapalhar não é a melhor, a gente se equivoca, mas um prejudica o progresso do outro”, destacou.

De acordo com Ribeiro, os pais seguem com a palavra final entre matricular ou não o filho em uma sala especial, mas que, com o ‘não inclusivismo’, o governo quer oferecer um ‘cuidado especial’ para crianças com deficiência.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!