CartaExpressa

Não há previsão de adiamento das eleições no Rio Grande do Sul, diz Moraes

Ministro afirmou que, até o momento, há condições de garantir a normalidade do pleito em todos os municípios do estado

Foto: Antonio Augusto/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O Ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, declarou, nesta terça-feira 21, que não há previsão de adiamento das eleições no Rio Grande do Sul.

“Nós estamos em maio, todas as providências estão sendo tomadas no âmbito do governo do Rio Grande do Sul e do governo federal para, obviamente, senão o retorno total do que era antes dessa devastação pela inundação, mas que haja a normalidade, o retorno do mínimo normal da rotina”, disse, durante abertura da sessão plenária da Corte.

“Não houve até o momento nenhum dano, diríamos, estrutural no Tribunal Regional Eleitoral ou nos juízos eleitorais que impeça a realização normal das eleições, em outubro, em todo o Rio Grande do Sul”, completou.

Ainda segundo o ministro, serão contabilizadas as urnas que, eventualmente, sofreram avarias e elas serão substituídas por equipamentos que se encontram em depósitos.

“Temos todas as condições para garantir, até este momento, as eleições normais em todos os municípios do Rio Grande do Sul. Isso é muito importante porque o calendário eleitoral permanece para o Brasil todo”, acrescentou.

Na segunda-feira 20, o governador do estado, Eduardo Leite (PSDB) sugeriu adiar as eleições no estado. Segundo ele,  a troca de gestão nas prefeituras do RS pode “atrapalhar o processo” de reconstrução das cidades atingidas pelas enchentes desde o final de abril.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar