CartaExpressa

‘Não há o que delatar’ de Bolsonaro, diz Wajngarten sobre possível acordo de Mauro Cid com PF

Cid, entretanto, é peça-chave no conjunto de casos envolvendo o ex-presidente

Fábio Wajngarten. Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

O advogado do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Fábio Wajngarten, comentou o acordo de delação premiada entre Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, e a Polícia Federal (PF). Em publicação feita na tarde da última quinta-feira 7 na rede X, antigo Twitter, Wajngarten disse que “não há o que delatar”.

“A quem possa interessar em pleno feriado de 7 de setembro completamente esvaziado: não há o que delatar”, disse Wajngarten. A opinião de Wajngarten, porém, não se assemelha à revelada pelo advogado de Mauro Cid, Cezar Bitencourt.

Em entrevista à rede CNN, no final de agosto, Bitencourt, embora não se referisse, ainda, à delação premiada, chegou a dizer que Cid iria confessar e admitir que recebeu ordens de Bolsonaro no caso das joias. Também em agosto, Bitencourt chegou a admitir que Cid “vendeu o relógio [um Rolex recebido em viagem oficial] a mando de Bolsonaro”. 

Cid é peça-chave no conjunto de casos envolvendo Bolsonaro. Entre as investigações que pesam sobre Cid, está a da suposta fraude nas carteiras de vacinação de Bolsonaro – motivo, aliás, pelo qual Cid está preso. Além disso, Cid é investigado no suposto envolvimento nas vendas irregulares dados ao então governo Bolsonaro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar