CartaExpressa

‘Não basta estar na Constituição, é preciso incutir na cabeça das pessoas’, diz Lula sobre direitos das mulheres

O presidente discursou em almoço com a primeira-dama, ministras e servidoras, em alusão ao Dia Internacional da Mulher

Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou, nesta sexta-feira 8, de um almoço em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres, em Brasília.  

Ao lado da primeira-dama, Rosângela da Silva, a Janja, de ministras e de servidoras do governo federal, o presidente destacou que a lentidão na garantia de direitos no Brasil interfere na resistente igualdade entre homens e mulheres. 

“Não é fácil, vocês sabem que tudo no Brasil é mais demorado, nossa independência foi demorada, o fim da escravidão foi mais demorada, a nossa redemocracia é mais demorada”, avaliou o petista. 

Na ocasião, Lula destacou a conquista do voto feminino brasileiro, que completa 92 anos em 2024. “As nossas conquistas democráticas são muito recentes, e as conquistas das mulheres são mais recentes ainda”. 

E completou: “O problema da luta das mulheres no planeta Terra é um contencioso histórico que não basta estar na Constituição, é preciso incutir na cabeça das pessoas como é bom a gente ser civilizado, garantir que não haja diferença de gênero entre nós”. 

Junto ao almoço, o governo federal aproveitou o evento para fazer um balanço das ações voltada para as mulheres. Na lista usada como base no evento, o Planalto elencou 79 ações adotadas a partir de janeiro de 2023.

Entre as ações elencadas no levantamento aparecem a Lei de Igualdade Salarial; as mudanças na Maria da Penha; a retomada do Disque 180; e as novas regras do Bolsa Família, voltadas para gestantes ou mulheres em fase de amamentação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.