CartaExpressa

MPE aciona o TRE do Rio para barrar a candidatura de Daniel Silveira ao Senado

Segundo o órgão, o indulto concedido por Jair Bolsonaro ao parlamentar de extrema-direita não afasta a sua inelegibilidade

O ex-deputado federal Daniel Silveira. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público Eleitoral protocolou uma ação para impugnar a candidatura de Daniel Silveira (PTB-RJ) ao Senado pelo Rio de Janeiro. A peça foi apresentada ao Tribunal Regional Eleitoral fluminense.

Em abril, o Supremo Tribunal Federal condenou o bolsonarista a oito anos e nove meses de prisão por estimular atos antidemocráticos e ameaçar instituições, entre elas o próprio STF. Além da imposição da pena, a maioria da Corte votou para cassar o mandato, suspender os direitos políticos e determinar o pagamento de multa de cerca de 192 mil reais.

Um dia depois, porém, o presidente Jair Bolsonaro (PL) editou um decreto que concedeu ao parlamentar o indulto da graça, a funcionar como um perdão da pena.

Ao acionarem o TRE-RJ, os procuradores Neide Cardoso Oliveira e Flávio de Moura Paixão Júnior afirmam não haver dúvida de que o decreto “não significa sua absolvição, mas apenas a não aplicação das penas de prisão e multa, mantendo-se, portanto, a inelegibilidade e os demais efeitos civis da condenação, razão pela qual deve a presente ação ser julgada procedente para indeferir o seu pedido de registro de candidatura”.

A federação PSOL/Rede também acionou o TRE-RJ para barrar a candidatura de Silveira. Independentemente da decisão da Corte, o caso ainda poderá ser analisado pelo Tribunal Superior Eleitoral, caso haja recurso.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar