CartaExpressa

Morre aos 45 anos MC Marcinho, autor do hit ‘Glamurosa’

O artista estava internado desde 27 de junho para tratamento cardíaco e renal

MC Marcinho. Créditos: Reprodução redes sociais
Apoie Siga-nos no

Morreu neste sábado 26, aos 45 anos, o cantor de funk Marcio André Nepomuceno, conhecido como MC Marcinho. O artista estava internado desde 27 de junho no Hospital Copa D’or, na Zona Sul do Rio de Janeiro, para tratamento cardíaco e renal. A informação foi confirmada pelo Hospital às 9h40.

No início de agosto, o artista sofreu uma parada cardiorrespiratória e precisou ser entubado. Nos últimos dias, Marcinho também foi acometido por um quadro de infecção generalizada, o que fez com que seu nome fosse retirado da fila de transplante cardíaco. Pelas regras do Sistema Nacional de Transplantes, o receptor precisa estar em condições mínimas para suportar uma cirurgia e receber o órgão.

Na noite da sexta-feira 25, o boletim médico sobre Marcinho apontou uma “significativa piora” nas 24 horas anteriores.

“Ele permanece com o coração artificial e evoluiu com disfunção de múltiplos órgãos. Toda a equipe do hospital está dedicada a oferecer a melhor assistência ao paciente e o acolhimento necessário à família e amigos”, informou o Copa D’or.

Marcinho é um dos maiores nomes do funk carioca e faz sucesso desde os anos 1990. Entre seus hits estão Glamurosa, Rap do solitário, Porque te amo, Escrito pras princesas e Garota nota 100.

O cantor nasceu  em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Na adolescência, foi morar em Bangu, zona oeste do Rio de Janeiro, onde nunca saiu – apesar do sucesso. MC Marcinho deixa três filhos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.