CartaExpressa

Moraes nega recurso de Bolsonaro e Braga Netto contra inelegibilidade

Caso está relacionado ao uso político dos eventos de 7 de Setembro de 2022

O ministro Alexandre de Moraes. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, negou, em decisão liberada neste domingo 26, um recurso protocolado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e seu ex-ministro Walter Braga Netto contra a inelegibilidade.

A dupla, que formou a chapa derrotada por Lula (PT) na última eleição, defendia que um processo contra eles, analisado no TSE, fosse encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF). O caso em questão tratava do uso político dos eventos oficiais de 7 de Setembro de 2022 por Bolsonaro Braga Netto.

Moraes, no entanto, negou o pedido dos políticos da extrema-direita.

Na Corte Eleitoral, Bolsonaro e Braga Neto foram considerados inelegíveis por transformarem as comemorações do Bicentenário da Independência, em 7 de Setembro de 2022, em um ato de campanha. O TSE entendeu que se tratou de abuso de poder político e econômico.

Essa foi a segunda condenação de Bolsonaro naquele tribunal. Portanto, ainda que Moraes acatasse o pedido de Bolsonaro e Braga Netto, o ex-capitão seguiria inelegível. A cartada, porém, livraria Braga Netto.

A íntegra da decisão de Moraes liberada neste domingo pode ser lida abaixo:

consultaunificadapje.tse.jus.br_consulta-publica-unificada_documento_extensaoArquivo=text_html&path=tse_2024_5_26_12_11_26_3d9c66ac0f573527cfd9b409e71cb6970d52f105ed856174e4fc93c76ea25cdf

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar