CartaExpressa

Ministério Público do Rio pede a prisão de Flordelis

A solicitação acontece após ela perder o mandato de deputada federal por decisão da Câmara

Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato de seu marido, o pastor Anderson do Carmo. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Flordelis é acusada de ser a mandante do assassinato de seu marido, o pastor Anderson do Carmo. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O Ministério Público do Rio de Janeiro pediu nesta sexta-feira 13 a prisão da ex-deputada federal Flordelis, acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019.

A solicitação acontece após Flordelis perder o mandato, cassado na última quarta-feira 11 pela Câmara.

O MPRJ destacou no documento que, ao longo de todo o processo, ficou claro que a liberdade de Flordelis colocava em risco tanto a instrução criminal quanto a aplicação da lei penal e que, mesmo sendo cabível e necessária sua prisão preventiva, a decretação não foi possível devido à imunidade parlamentar.

“Com a perda do mandato de parlamentar, a situação jurídica da ré deve ser revista, para sanar a desproporcionalidade que havia entre as medidas cautelares impostas e os fatos imputados e as condutas que a ré praticou para interferir na instrução e se furtar no momento da aplicação da lei penal”, destaca o MP no pedido encaminhado à 3ª Vara Criminal de Niterói.

 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!