CartaExpressa

Marta se zangou comigo porque queria que eu fosse candidato em 2014, diz Lula

Em janeiro, o presidente afirmou ter certeza de que venceria a eleição de 10 anos atrás

Guilherme Boulos, Marta Suplicy e Lula em ato em São Paulo, em 2 de fevereiro de 2024. Foto: Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula afirmou que a ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy se irritou quando ele não aceitou ser candidato à Presidência da República em 2014. Naquele ano, Dilma Rousseff (PT) buscou e conquistou sua reeleição.

A declaração foi concedida em São Paulo, na cerimônia que marcou a volta de Marta ao PT, partido ao qual ela esteve filiada por 33 anos, até 2015. Ela será a vice na chapa encabeçada por Guilherme Boulos (PSOL) para disputar a prefeitura da capital paulista em outubro.

“Você continua no PT. Por isso é que foi importante trazer você de volta. Você deu muito para este partido. O PT cometeu erros, nem todo mundo é obrigado a suportar a quantidade de erros que a gente comete. E você, em algum momento, ficou zangada”, disse Lula.

“A Marta ficou puta comigo, porque queria eu fosse candidato a presidente em 2014. Falava: ‘se você não for, a gente vai perder’. E eu falava: ‘eu não posso ser, porque a Dilma tem o direito de ser candidata à reeleição.'”

Em 18 de janeiro, durante um evento em Pernambuco, Lula declarou ter certeza de que venceria a eleição em 2014. “Mas era direito da companheira Dilma ter a reeleição ”, ponderou o petista. “E, a partir daí, começou o processo de destruição do que tínhamos construído.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar