CartaExpressa

Lula será o candidato do PT em 2026, diz Haddad

Apontado como um dos possíveis sucessores de Lula nas próximas eleições, o ministro disse não almejar o posto em 2030

Fernando Haddad e Lula. Foto: Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que o nome de Lula é consenso dentro PT para 2026. A declaração foi dada em entrevista ao O Globo, divulgada nesta terça-feira 2.

“Acredito que existe consenso dentro do PT e da base aliada sobre a candidatura do presidente Lula em 2026. Na minha opinião, é uma coisa que está bem pacificada. Não se discute”, disse o ministro.

Até aqui, no entanto, o presidente não confirmou que será candidato na próxima eleição, apesar de já ter sinalizado para a possibilidade. Durante a campanha, vale lembrar, Lula teria dito que 2022 seria a última vez que disputaria a vaga no Planalto.

Na entrevista desta terça, Haddad também tratou do que chamou de day after na disputa, visando a preparação de um sucessor de Lula para 2030. Para ele, o PT já precisa pensar nessa transição de poder. Apesar do alerta, Haddad disse não se ver como esta figura. 

“Eu não penso [em ser o sucessor de Lula]. E só passou pela minha cabeça em 2018 porque era uma situação em que ninguém queria ser vice do Lula. E aí, um dia, ele falou: ‘Haddad, acho que vamos sobrar só nós dois’. Dentro da cadeia. Eu disse: ‘Pense bem antes de me convidar, porque vou aceitar’. E acabou acontecendo”, contou o ministro ao jornal.

Ao Globo, o chefe da Economia aproveitou para rebater as críticas direcionadas a sua política econômica, apelidada ironicamente pelo PT, seu próprio partido, como “austericídio”.

“Olha, é curioso ver os cards que estão sendo divulgados pelos meus críticos sobre a economia, agora por ocasião do Natal. O meu nome não aparece. O que aparece é assim: ‘A inflação caiu, o emprego subiu. Viva Lula!’ E o Haddad é um austericida”, ironizou o ministro.

“Não dá para celebrar Bolsa, juros, câmbio, emprego, risco-país, PIB que passou o Canadá, essas coisas todas, e simultaneamente ter a resolução que fala ‘está tudo errado, tem que mudar tudo'”, completou ele sobre a resolução do PT com críticas ao seu programa de governo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.