CartaExpressa

Lula promete demarcar terras indígenas e áreas de proteção ambiental

O presidente disse que as propostas serão assinadas ainda na tarde desta terça-feira 5

Lula (PT) durante a live 'Conversa com o Presidente'. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que vai oficializar a demarcação de novas terras indígenas e de novas áreas de proteção ambiental. A declaração foi dada nesta terça-feira 5, durante a live semanal “Conversa com o Presidente”.

“Hoje é o Dia da Amazônia, dia 5 de setembro é o Dia da Amazônia. Vai ter uma atividade no Palácio do Planalto com a ministra [do Meio Ambiente] Marina [Silva], com a ministra Guajajara [dos Povos Originários], nós vamos demarcar algumas terras indígenas, algumas áreas de proteção ambiental. Vai ter coisa importante para a gente avisar hoje”, afirmou

Lula, entretanto, não deu detalhes sobre quais áreas de proteção serão assinadas.

Caso as medidas sejam sancionadas na tarde de hoje, o governo federal ampliará a lista de terras indígenas demarcadas neste ano. Em abril, a primeira rodada de demarcações envolveu os seguintes territórios: Arara do Rio Amônia (AC), Kariri-Xocó (AL), Tremembé da Barra do Mundaú (CE), Uneiuxi (AM), Rio dos Índios (RS) e Avá-Canoeiro (GO). Foi a primeira demarcação em cinco anos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.