CartaExpressa

Lula oficializa retirada de embaixador do Brasil em Israel

Frederico Meyer passa a representar Brasil na Conferência do Desarmamento, em Genebra, na Suíça

O agora ex-embaixador do Brasil em Israel, Frederico Meyer. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) nomeou o diplomata Frederico Meyer como o representante do Brasil na Conferência do Desarmamento, em Genebra, na Suíça.

A nomeação foi publicada na edição desta quarta-feira 29 do Diário Oficial da União (DOU). Com isso, Meyer foi retirado do cargo de embaixador do Brasil em Israel.

Era Meyer, por exemplo, o diplomata que o governo de Israel convidou, em fevereiro, para uma reprimenda pública, no Museu do Holocausto, logo após a declaração em que Lula comparou os ataques de Israel a Gaza ao Holocausto. 

O caso representou o ponto alto da tensão diplomática entre Brasil e Israel. O governo de Benjamin Netanyahu chegou a declarar Lula como “persona non grata”

A saída de Meyer do cargo foi antecipada pelo assessor especial da Presidência da República, Celso Amorim, que, na semana passada, justificou a decisão dizendo que o embaixador tinha sido “humilhado”. 

O decreto desta quarta não indicou um substituto para Meyer, em Tel Aviv. Logo, o País ficará, por tempo indeterminado, sem representante em Israel.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.