CartaExpressa

Lula defende auxílio de R$ 600 e minimiza estratégia de Bolsonaro: ‘Vamos ganhar as eleições’

‘O povo precisa comer, trabalhar, ter acesso à saúde’, declarou o ex-presidente em plenária da CUT

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O ex-presidente Lula voltou a defender, nesta quarta-feira 20, o pagamento de um auxílio de 600 reais por mês aos brasileiros vulneráveis. O petista participou virtualmente de uma reunião plenária da Central Única dos Trabalhadores.

“Reivindicamos um aumento do Bolsa Família para 600 reais. Vamos esquecer as eleições de 2022. O povo precisa comer, trabalhar, ter acesso à saúde”, declarou Lula. “A gente vai ganhar as eleições, e ele [o presidente Jair Bolsonaro] pode dar 600, 700, 800, porque não é ele quem está dando, é o próprio dinheiro do povo que está sendo devolvido – e depois volta como imposto, mais uma vez, ao Estado”.

Lula ainda afirmou que o presidente Bolsonaro “convive com as fake news, as mentiras dele e, quem sabe, com alguns milicianos mais próximos”.

“É esse o Brasil que herdamos do impeachment feito contra a Dilma Rousseff. Esse país do ódio, do desemprego, da volta da fome, da falta de respeito ao povo que trabalha. Esse país da descrença na política”.

Nesta quarta, o ministro da Cidadania, João Roma, disse que o Auxílio Brasil terá um reajuste permanente de 20% sobre os valores pagos atualmente via Bolsa Família. O novo benefício começará a ser disponibilizado no mês que vem.

Segundo Roma, haverá um “benefício transitório” até o fim de 2022 que garantirá o pagamento de pelo menos 400 reais. Em pronunciamento, porém, o ministro não explicou a fonte de custeio do programa.

“O programa permanente, que é o Auxílio Brasil, que sucede o Bolsa Família, tem um ticket médio. O programa permanente tem valores que oscilam. Vão desde valores abaixo de 100 reais até valores acima de 500 reais. Portanto, o programa, de modo geral, terá reajuste de 20%”, afirmou Roma.

Mais cedo, em entrevista à Rádio A Tarde, da Bahia, Lula disse que não importa se o programa será usado de forma eleitoreira por Bolsonaro.

“Estou vendo o Bolsonaro dizer agora que vai dar um auxílio emergencial de 400 reais que vai durar até o final do ano que vem. Tem muita gente dizendo que não se pode aceitar porque é um auxílio eleitoral. Não penso assim. Faz mais de cinco meses que o PT pediu um auxílio emergencial de 600 reais. Aliás, o PT mandou uma proposta para a Câmara de um novo Bolsa Família de 600 reais. O que nós queremos é que Bolsonaro dê um auxílio de 600 reais”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!