CartaExpressa

Lira diz ter alertado Bolsonaro sobre ataques às urnas eletrônicas

‘Há uma diferença entre querer transparência e querer contestação’, afirmou o presidente da Câmara e líder do Centrão

Arthur Lira e Jair Bolsonaro. Fotos: Luis Macedo/Agência Câmara e Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse não concordar com os reiterados ataques de Jair Bolsonaro (PL) às urnas eletrônicas e alegou já tê-lo alertado sobre o assunto.

“Acho [que erra quando ataca as urnas]. Já disse isso pessoalmente a ele. Já pedi, já falei. Nós já votamos no Congresso essa questão. Há uma diferença entre querer transparência e querer contestação”, declarou o líder do Centrão, nesta quinta-feira 18, durante participação em evento do banco BTG Pactual.

O deputado, que já disputou seis eleições com urnas eletrônicas, afirmou não ter condição de se manifestar contra o sistema. “A gente tem que respeitar o resultado das urnas. Nós precisamos de eleições transparentes, sim, mas o resultado das urnas é reconhecido.”

Lira acrescentou que a vontade popular manifestada nas urnas será respeitada, que “quem ganhar tomará posse” e que colocar o sistema eleitoral em xeque só serve para gerar instabilidade.

“Ficar discutindo urnas, se não vai ter ou vai ter [eleições], não vai nos levar a canto nenhum. Isso instabiliza, isso dá insegurança. Então, o Brasil terá um 3 de outubro neste ano, como teve nos últimos 30 anos.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar