CartaExpressa

Lira diz que PP pode ter um ministério, enquanto Ciro Nogueira ameaça punir apoiadores do governo

A entrada do deputado André Fufuca (PP-MA) na gestão federal é dada como certa

Lira, o tranca-pauta – Imagem: Bruno Spada/Ag. Câmara
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quinta-feira 17 que seu partido pode ocupar um ministério do governo Lula. O presidente nacional da legenda, Ciro Nogueira, por outro lado, reforçou a promessa de punição a correligionários que apoiarem a gestão federal.

A entrada do deputado André Fufuca (PP-MA) no governo é dada como certa. O partido espera ocupar o Desenvolvimento Social, pasta atualmente responsável pelo Bolsa Família. Governistas não descartam, porém, transferir a gestão do programa para outra pasta.

“O PP pode (ter um ministro), como podem o União Brasil, o Republicanos, o PCdoB. O governo não elegeu maioria no Congresso Nacional, como é que ele vai governar? Não existe meio governo de coalizão, ou meio toma lá, dá cá”, disse Lira nesta quinta. “Não temos foco em canto nenhum, temos discussões. O governo pensa em ampliar a sua base, o PP é um dos partidos que podem ou não compor a base.”

A declaração foi concedida na inauguração de uma sede do PP em São Paulo. Presente na agenda, Ciro Nogueira reforçou que qualquer parlamentar que apoiar o governo será afastado das decisões partidárias.

“Enquanto eu for presidente do Progressistas, o partido jamais irá compor a base do presidente Lula”, assegurou. “Eu sei que represento a maioria, a nossa identificação é com Tarcísio (de Freitas), com (Romeu) Zema. Nós não podemos voltar àquela prática do passado que não deu certo, de trocar cargos por apoio.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar