CartaExpressa

Líder do governo Bolsonaro critica bloqueio de rodovias após a vitória de Lula

‘Nem toda manifestação popular é democrática se os seus anseios não o são’, afirmou o senador Carlos Portinho

Foto: Caio Guatelli/AFP
Apoie Siga-nos no

O líder do governo de Jair Bolsonaro (PL) no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ), criticou nesta terça-feira 1° as mobilizações de bolsonaristas que fecharam trechos de rodovias em protesto à vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no domingo 30.

“Nem toda manifestação popular é democrática se os seus anseios não o são. Temos sempre que aprender a ganhar e a perder. A alternância de poder também é um alicerce da Democracia. A derrota de hoje será a vitória amanhã. Somos maioria no Congresso e lá defenderemos nossos valores!”, escreveu o senador nas redes sociais.

Após a conclusão da apuração, Portinho reconheceu a vitória do petista. Nas redes, ele destacou que a disputa pela Presidência foi acirrada e disse que Lula tem, neste terceiro mandato, a possibilidade de reescrever sua história.

“Que os poucos mais de 50,82% de brasileiros e sua vontade soberana saibam do nosso destino. Um país ainda muito dividido. Um Congresso hostil e um novo presidente que terá a chance de reescrever a sua história nesse cenário adverso e na era da tecnologia e das novas relações de trabalho.”

Desde a madrugada de segunda, manifestantes pró-Bolsonaro fecham trechos de rodovias pelo País. Um balanço divulgado pela Polícia Rodoviária Federal em coletiva no início da tarde desta terça informa que cerca de 267 trechos estão bloqueados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.