CartaExpressa

Jorge Kajuru doa R$ 10 mil ao RS para encerrar ação por calúnia contra Gilmar Mendes

Senador foi denunciado pela PGR por afirmar, sem provas, que o ministro do STF vendia sentenças judiciais. No ano passado, Kajuru pediu desculpas por falas

O senador Jorge Kajuru (PSB) e o ministro do STF Gilmar Mendes, respectivamente - Pedro França/Agência Senado/Nelson Jr/SCO/STF.
Apoie Siga-nos no

O senador Jorge Kajuru (PSB) doou 10 mil reais à Defesa Civil do Rio Grande do Sul como parte de um acordo de conciliação com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. A trasferência foi realizada na sexta-feira 29, segundo boleto bancário enviado à Corte.

Kajuru é alvo de um inquérito por calúnia contra o magistrado. A denúncia da Procuradoria-Geral da República mira ao menos três declarações do senador feitas em 2019, nas quais ele acusa Gilmar, sem provas, de vender sentenças judiciais.

Na audiência de conciliação, o senador concordou com a doação, disse que as suas falas foram um “erro” e afirmou não conhecer o ministro à época.

Participaram do encontro no Supremo, além da defesa de Gilmar, representantes da PGR e o juiz Américo Bedê, instrutor no gabinete do ministro Flávio Dino, relator do inquérito.

Em abril do ano passado, Kajuru pediu desculpas ao magistrado durante discurso no Senado. “Reconheço que exagerei e passei da 1ª página quando fiz duras e indevidas críticas ao vosso comportamento durante a trajetória como ministro do STF”, afirmou, à época.

A doação à Defesa Civil gaúcha acontece em meio aos esforços para reparar os danos causados pelos temporais sem precedentes que castigaram o RS nas últimas semanas. A catástrofe deixou 169 mortos e 56 pessoas seguem desaparecidas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar