CartaExpressa

Janja representará o Brasil em evento da ONU sobre mulheres

Comitiva brasileira conta ainda com uma advogada especializada em direitos humanos, uma representante da sociedade civil e a ministra das Mulheres Cida Gonçalves

Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

A primeira-dama, Rosangela Janja da Silva, irá representar o Brasil em um encontro da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre mulheres, previsto para a próxima semana na sede da organização em Nova York.

A indicação da socióloga para representar o País na discussão foi publicada nesta sexta-feira 8, Dia Internacional da Mulher, no Diário Oficial da União. O decreto é assinado pelo presidente Lula (PT) e pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves.

Conforme mostra o texto oficial, Janja ficará nos Estados Unidos entre os dias 9 e 16 de março e irá ser uma das integrantes da comitiva brasileira na 68ª Sessão da Comissão sobre a Situação da Mulher da Organização das Nações Unidas.

O evento, segundo a descrição oficial da ONU, é o maior encontro anual sobre igualdade de gênero e empoderamento das mulheres. O tema das discussões em 2023 é “Acelerando a conquista da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas, abordando a pobreza e fortalecendo instituições e financiamento com uma perspectiva de gênero”.

O evento deve contar com a participação de governos, organizações da sociedade civil, especialistas e ativistas de todo o mundo. A ideia, diz a ONU, é “concordar com ações e investimentos que possam acabar com a pobreza das mulheres e avançar na igualdade de gênero”. A participação feminina em eleições no mundo também deve ser abordada em parte das reuniões.

Além da primeira-dama, ainda fazem parte da comitiva brasileira a representante da sociedade civil no Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, Luanda Pires; Denise Dourado, advogada especializada em Direitos Humanos; e a própria ministra Cida Gonçalves.

Desde o início do mandato presidencial de Lula, Janja tem realizado agendas que envolvem pautas sociais, principalmente relacionadas com políticas públicas para mulheres.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.