CartaExpressa

Israel anuncia que vai repreender embaixador brasileiro após falas de Lula sobre genocídio em Gaza

Em coletiva de imprensa, o presidente comparou os ataques israelenses aos palestinos em Gaza à morte de judeus no Holocausto

Embaixada do Brasil em Tel Aviv — Foto: Jack Guez/AFP
Apoie Siga-nos no

O governo de Israel anunciou, neste domingo 18, que vai repreender o embaixador brasileiro em Tel Aviv após o presidente Lula (PT) declarar que a guerra em Gaza é um genocídio contra a população palestina e comparar o conflito com o Holocausto nazista. 

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza com o povo palestino não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu. Quando Hitler resolveu matar os judeus”, disse Lula em coletiva de imprensa que encerrou sua viagem à África.

Em resposta, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, condenou a declaração do presidente. 

“As palavras do presidente do Brasil são vergonhosas e graves. Ninguém prejudicará o direito de Israel se defender”, escreveu em publicação no X (antigo Twitter) o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz.

“Ordenei ao pessoal do meu gabinete que convoque o embaixador brasileiro para uma chamada de repreensão amanhã”, completou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar