CartaExpressa

‘Frustrados’ com Bolsonaro, policiais federais marcam protestos para 28 de abril

A categoria se manifesta por um plano de reestruturação da carreira, prometido pelo ex-capitão

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Policiais federais decidiram marcar manifestações em todos os estados para o próximo dia 28, contra a decisão do presidente Jair Bolsonaro de não apresentar, até agora, o plano de reestruturação de carreira prometido à categoria.

O indicativo de mobilização foi confirmado nesta quarta-feira 20 após uma assembleia organizada pela Federação Nacional dos Policiais Federais. Estão previstos atos em frente às superintendências da corporação nos 26 estados e no Distrito Federal. A expectativa é pelo comparecimento de até 10 mil servidores.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o presidente da FenaPef, Marcus Firme, mencionou uma ‘frustração com o governo’.

“Ficaremos em mobilização permanente em face dessa frustração com o governo. O importante é o presidente se sensibilizar com a nossa demanda. Estamos em contato com outras categorias para uma ação conjunta mais para frente”, declarou.

A Polícia Rodoviária Federal também se reuniu com o conselho de representantes da classe e definiu pela realização de assembleias regionais até 26 de abril para deliberar sobre a adesão aos atos.

Embora o governo tenha prometido reestruturar as carreiras dos policiais federais e pagar salários acima da inflação, recuou da proposta e definiu um aumento geral de 5% a todos os servidores civis e militares, o que não recompõe as perdas inflacionárias. A proposta ainda não foi formalizada, mas é vista pelo governo como uma saída para não causar revolta no restante do funcionalismo.

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar