CartaExpressa

Flávio Bolsonaro vai ao CNJ para tentar afastar o novo juiz da Lava Jato

O filho de Jair Bolsonaro alega suposta ‘afinidade ideológica’ do magistrado com Lula; Appio nega doação à campanha petista

Jair e Flávio Bolsonaro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O senador Flávio Bolsonaro (PL) solicitou ao Conselho Nacional de Justiça o afastamento do novo juiz titular da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), Eduardo Fernando Appio. O filho de Jair Bolsonaro (PL) alega suposta “afinidade ideológica” do magistrado com Lula (PT) na eleição do ano passado.

Na representação, Flávio cita a suposta identificação de Appio como “LUL22” no sistema processual da Justiça paranaense e uma suposta doação do juiz à campanha de Lula em 2022.

No final da semana passada, Appio afirmou não reconhecer a doação de 13 reais. “Nunca fui filiado a nenhum partido. Não tenho tendência político-partidária”, disse ao site Poder360.

O juiz enviou ao veículo um extrato bancário no qual não consta qualquer transação de 13 reais em 25 de setembro de 2022, dia em que a doação teria ocorrido, segundo o sistema do Tribunal Superior Eleitoral.

Eduardo Fernando Appio, sucessor de Sergio Moro na condução dos processos referentes à Lava Jato, reconheceu em recente entrevista que a condução dos processos contra Lula teve problemas jurídicos graves. Como exemplo, ele mencionou a mudança de entendimento que permitiu a execução da pena antes de esgotados todos os recursos cabíveis.

“Quando o Judiciário cria um novo entendimento, uma nova jurisprudência, ela não pode se voltar para casos que já foram iniciados, senão ela seria mais gravosa e retroativa”, afirmou ao G1. “Ela voltaria para o passado.”

Appio disse ainda que pretende colocar um fim à espetacularização dos processos e resgatar a credibilidade e a neutralidade político-partidária das ações sob seu comando.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.