CartaExpressa

Extrema-direita não precisa mais de Bolsonaro para se mobilizar, mostra estudo

A pesquisa revela ainda que a formação desse extremismo é indissociável da Covid-19

MANIFESTAÇÃO BOLSONARISTA EM SÃO PAULO NESTE 7 DE SETEMBRO. FOTO: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP
MANIFESTAÇÃO BOLSONARISTA EM SÃO PAULO NESTE 7 DE SETEMBRO. FOTO: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP

A extrema-direita no Brasil não precisa mais do presidente Jair Bolsonaro para se mobilizar. É o que revela a pesquisa Democracia Sitiada e Extremismo no Brasil: 18 meses de manifestações bolsonaristas, coordenada pela antropóloga Isabela Kalil, do Núcleo de Etnografia Urbana e Audiovisual da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (NEU-FESPSP). O estudo foi divulgado nesta segunda-feira 18 pelo Estadão.

De acordo com o trabalho, a formação desse extremismo é indissociável da Covid-19. A pesquisa mostra que a pandemia se tornou em uma oportunidade para mobilizar os bolsonaristas.

A maioria dos atos em 2020 trazia como pauta a defesa do tratamento precoce e o ataque a governadores e prefeitos que defendiam medidas de isolamento social, como o fechamento do comércio.

O estudo também diz que houve uma mudança na retórica dos apoiadores do presidente. Antes da pandemia, os alvos prioritários eram os políticos e partidos tradicionais. Depois, passaram a ser instituições, como o Congresso e o STF. O deslocamento das pautas dos protestos é acompanhado pelo aumento do radicalismo, incluindo “atos de insurgência”.

Os pesquisadores identificaram ainda a presença cada vez maior de símbolos militares e de novos tipos de protestos, como os encontros de motociclistas.

Outra constatação foi a transformação da identidade do bolsonarista, deixando a ênfase no “cidadão de bem” para explorar a imagem do “patriota”.

(Com informações da Agência Estado)

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!