CartaExpressa

Ex-presidente do BB se filia ao Novo e tenta convencer Guedes a disputar o Senado em 2026

A ideia de Rubem Novaes é que o ex-ministro bolsonarista se candidate pelo Rio de Janeiro

O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O economista Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), se filiou ao partido Novo nesta sexta-feira 24 e afirmou que tenta convencer o ex-ministro da Economia Paulo Guedes a se candidatar ao Senado pelo Rio de Janeiro.

“Vivo pedindo que ele se filie ao Novo e saia candidato. E eu não posso pedir a ele e não fazer o mesmo”, disse Novaes ao jornal Folha de S.Paulo. “Também estou me inscrevendo para botar mais pressão no Guedes.”

Segundo Rubem Novaes, Guedes não fechou a porta por completo, mas disse ter uma grande “realização pessoal” com projetos na iniciativa privada.

No governo Lula (PT), a presidente do BB é Tarciana Medeiros, funcionária de carreira da instituição há mais de vinte anos. Ela é formada em Administração de Empresas e pós-graduada em Administração, Negócios e Marketing e em Liderança, Inovação e Gestão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.