CartaExpressa

‘Eu não posso usar o meu Viagra, pô?’, questiona Mourão

Vice-presidente relevou o caso: ‘O que são 35 mil comprimidos de Viagra para 110 mil velhinhos que tem? Não é nada’

HAMILTON MOURÃO, VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA. FOTO: SERGIO LIMA/AFP
HAMILTON MOURÃO, VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA. FOTO: SERGIO LIMA/AFP
Apoie Siga-nos no

O vice-presidente, Hamilton Mourão, relevou a compra de 35 mil comprimidos de Viagra pelas Forças Armadas, que é alvo de parlamentares da oposição e do Tribunal de Contas da União. Para o general, há exagero na repercussão do caso.

“Então, tem o velhinho aqui [aponta para si próprio]. Eu não posso usar o meu Viagra, pô?”, questionou Mourão em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta quinta-feira 14. “O que são 35 mil comprimidos de Viagra para 110 mil velhinhos que tem? Não é nada”.

Na conversa, o vice-presidente explicou como funciona a aquisição de medicamentos pelas Forças Armadas.

“Vamos colocar como funciona o sistema de saúde do Exército: um terço é recurso da União, que é o chamado fator de custo, é a contrapartida da União para os militares. E dois terços é o fundo de saúde que é bancado pela gente”, pontuou.

“Eu desconto 3% do meu salário para o fundo de saúde. E todos os procedimentos que eu faço a gente paga 20%, além dos 3% que ele desconta. Nós temos farmácias. A farmácia vende medicamentos. E o medicamento é comprado com recursos do fundo”, acrescentou.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.