CartaExpressa

Entenda como o Congresso pode derrubar vetos de Lula nesta terça

Em sessão conjunta, deputados e senadores também devem analisar vetos assinados pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL)

Pacheco e Lira não pagam a conta – Imagem: Zeca Ribeiro/Ag. Câmara
Apoie Siga-nos no

O Congresso Nacional deve se reunir nesta terça-feira 28 para analisar 17 vetos assinados pelo presidente Lula (PT) e pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) a projetos de lei. Clique aqui e relembre a pauta.

A convocação de uma sessão conjunta de deputados e senadores é prerrogativa do presidente do Senado, que dirige a Mesa do Congresso. Coube, portanto, a Rodrigo Pacheco (PSD-MG) chamar e agendar o encontro.

Para a rejeição de um veto, é necessária a maioria absoluta dos votos de deputados (257) e senadores (41), computados separadamente. Uma quantidade inferior de votos em uma das Casas significa a manutenção do veto.

A apuração dos votos começa pela Câmara, a menos que o projeto de lei em questão seja de iniciativa do Senado. A contagem dos votos da outra Casa só ocorre quando a primeira derruba o veto.

Em caso de queda do veto, as partes correspondentes do projeto são encaminhadas à promulgação pelo presidente da República em até 48 horas. Assim, o projeto inicialmente vetado (ou o dispositivo barrado, em caso de veto parcial) torna-se lei.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar