CartaExpressa

Em relatório, Renan deve pedir o banimento de Bolsonaro das redes sociais

‘Reincide a cada dia, faz questão de cometer os mesmos crimes. Não muda’, disse o relator da CPI da Covid sobre o ex-capitão

O senador Renan Calheiros (MDB-AL). Foto: Pedro França/Agência Senado
O senador Renan Calheiros (MDB-AL). Foto: Pedro França/Agência Senado

O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), defende que o presidente Jair Bolsonaro seja expulso das redes sociais. A ideia é incluir em seu relatório final, a ser votado nesta terça-feira 26, um pedido de medida cautelar nesse sentido, a ser encaminhado ao Supremo Tribunal Federal.

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais, na última quinta-feira, 21, Bolsonaro distorceu informações e disse que relatórios oficiais do governo do Reino Unido indicavam que pessoas vacinadas com duas doses contra Covid-19 estão desenvolvendo Aids “muito mais rápido do que o previsto”. As declarações de Bolsonaro geraram reação da classe médica e política.

“Bolsonaro reincide a cada dia, faz questão de cometer os mesmos crimes. Não muda. Só porque a CPI se encaminha para a reta final ele acha que vai voltar a falar sozinho de novo nas redes sociais. Essa última declaração, sobre vacina e Aids, agrava ainda mais as circunstâncias dele”, disse Renan ao Estadão. “Vou fazer um registro duro no relatório da CPI e estamos, adicionalmente, entrando com ação cautelar junto ao STF para bani-lo das redes”, completou, ressalvando que esse pedido ainda depende de aprovação de seus pares.

O G-7, grupo majoritário da CPI da Covid, tem reunião marcada para a noite desta segunda-feira, na casa do presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), na tentativa de analisar as últimas alterações no relatório final. O parecer de Renan também aumentará o número de indiciados, de 66 para, no mínimo, 74 pessoas.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!