CartaExpressa

Em aceno ao bolsonarismo, Ricardo Nunes confirma programa de escolas cívico-militares em SP

Emedebista busca, a todo custo, o apoio de Jair Bolsonaro e aliados na disputa eleitoral

Reprodução/ALESP
Apoie Siga-nos no

O prefeito da cidade de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), confirmou, neste domingo 26, que a cidade terá um programa de escolas cívico-militares. No estado, a iniciativa, capitaneada pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) teve aval de deputados em uma sessão marcada pela repressão policial contra manifestantes.

A adesão ao projeto da extrema-direita foi confirmada pelo próprio prefeito ao site Metrópoles, neste domingo. O político, no entanto, não deu qualquer detalhe sobre como a capital vai avançar na iniciativa. Não se sabe, portanto, quantas escolas da cidade Nunes pretende entregar para o controle dos fardados, nem como será, exatamente, o formato do programa municipal.

A adesão ao projeto de governo de Tarcísio é mais um aceno de Nunes ao bolsonarismo. O emedebista tenta, a todo custo, atrair eleitores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para a sua campanha de reeleição. O ex-capitão, por enquanto, sinaliza que deve apoiar o emedebista, mas resiste em entrar de vez na campanha do político.

A confirmação dada neste domingo também é novo aceno ao próprio governador, que registra índices de aprovação elevados entre os eleitores do estado e da capital. Nunes tenta colar sua imagem na do ex-ministro como trunfo eleitoral.

Pesquisas recentes mostram que Nunes terá tarefa árdua para ser reeleito, isso porque, disputa voto a voto com o deputado federal Guilherme Boulos (PSOL). O parlamentar conta com o apoio do presidente Lula (PT) na busca pela vitória inédita na capital de SP.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar