CartaExpressa

Eduardo Bolsonaro publica foto falsa sobre aumento da gasolina

A imagem original, de 2015, mostrava um protesto contra o governo de Dilma Rousseff

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP). Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) publicou, nesta sexta-feira 3, uma foto falsa nas redes sociais para culpar o PT, do presidente Lula, pelo aumento nos preços de combustíveis. A imagem original é de 2015 e remete a um protesto de um posto de gasolina em Ponta Grossa (PR) contra a então presidenta Dilma Rousseff (PT).

A faixa na foto compartilhada pelo parlamentar de extrema-direita tem a seguinte mensagem: “Caros clientes, o preço do combustível subiu por causa dos impostos do governo, somente repassamos. Vocês que fizeram o ‘L’: reclamem com o PT”.

A imagem original, porém, é do início de 2015 e retrata uma faixa com os dizeres: “Caros clientes, o preço do combustível subiu por causa dos impostos do governo, somente repassamos. Reclamem com a Dilma”.

Na última terça-feira 28, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou que a gasolina subirá até 34 centavos nas bombas, enquanto o etanol ficará até 2 centavos mais caro com a reoneração parcial dos combustíveis.

Veja as duas imagens:

Foto: Reprodução/Redes Sociais

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar