CartaExpressa

Doria admite erro e pede desculpa a Lula por provocação após prisão na Lava Jato

Segundo o ex-governador paulista, reconhecer o equívoco o ajuda ‘a ser uma pessoa melhor’

Reprodução/Youtube
Apoie Siga-nos no

O ex-governador de São Paulo João Doria pediu desculpas ao presidente Lula por uma declaração proferida em 2018, quando o petista estava preso na superintendência da Polícia Federal em Curitiba. À época, o então tucano disse que a prisão de Lula “lavou a alma dos bons brasileiros”.

Durante participação no podcast Flow News na última sexta-feira 22, Doria recuou.

“Aquilo foi uma declaração imprópria e eu não tenho problema em reconhecer. Isso me ajuda a ser uma pessoa melhor, mais respeitada”, afirmou. “Eu sei pedir desculpas, sei reconhecer quando eu erro. Não foi uma declaração adequada.”

À época, Doria era pré-candidato ao governo de São Paulo, cargo ao qual se elegeria associando sua imagem à do então presidenciável Jair Bolsonaro (PL).

Em outro episódio, desta vez em 2019, o então governador paulista ironizou uma possível transferência de Lula para o presídio de Tremembé, no interior do estado. Naquela ocasião, um juiz havia decretado a transferência, mas a decisão foi revogada.

Doria, então, foi às redes sociais para dizer que Lula seria “tratado como os outros presidiários” e, caso desejasse, poderia “fazer algo que jamais fez na vida: trabalhar”.

O ex-governador também se retratou pela postagem. “Eu não poderia jamais confrontar a Justiça. A Justiça determinou que ele fosse mantido dentro do sistema prisional, mas aquela frase foi uma frase imprópria, inadequada, pela qual eu me desculpo, inclusive”, completou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.