CartaExpressa

Dólar tem forte queda e Bolsa sobe no dia seguinte à vitória de Lula sobre Bolsonaro

A moeda americana recuou 2,54% nesta segunda-feira 31

Foto: Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

O dólar caiu 2,54% nesta segunda-feira 31, um dia após a vitória de Lula (PT) sobre Jair Bolsonaro (PL) no segundo turno da eleição presidencial. A moeda americana fechou o dia cotada a 5,166 reais.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, finalizou o pregão com alta de 1,31%, a 116.037,08 pontos.

Agora, a expectativa do “mercado” é pelo anúncio da equipe econômica de Lula e pela confirmação do desmembramento do Ministério da Economia.

Também nesta segunda, no Boletim Focus divulgado pelo Banco Central, economistas do “mercado” mantiveram a projeção para a taxa de juros básica (Selic) em 13,75% para este ano. Para 2023, continuou em 11,25%, pela oitava semana seguida. Para 2024, está em 8% há 16 semanas.

Já as expectativas de inflação das instituições consultadas pelo BC voltaram a subir, após uma sequência de 17 semanas de queda. A projeção para o IPCA deste ano passou de 5,60%, há uma semana, para 5,61%. Para 2023, se manteve em 4,94%, enquanto para 2024 seguiu em 3,50%. A projeção de alta do PIB de 2022 permaneceu em 2,76%, mas foi elevada de 0,63% para 0,64% em 2023 (quinta semana seguida de alta).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar