CartaExpressa

Dilma recusa convite de Doria para se vacinar: ‘É inaceitável furar a fila’

‘Aguardarei pacientemente a minha vez e quero adiantar que estou com o braço estendido para receber a Coronavac’

A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A ex-presidenta Dilma Rousseff recusou nesta quinta-feira 21 o convite do governador de São Paulo, João Doria, para ser vacinada com a Coronavac em Porto Alegre no próximo dia 25. Ela alegou razões “éticas e de justiça”.

“O Plano Nacional de Vacinação deve ser respeitado e, se é certo que a vacinação já começou, não há montante de vacinas disponível para que eu, agora, seja beneficiada. É inaceitável ‘furar a fila’, que deve ser estritamente respeitada por todos os brasileiros. Neste momento, considero imprescíndivel que sejam atendidos, de acordo com o Plano, primeiramente os trabalhadores da área da saúde que estão na linha de frente da luta contra a Covid-19, além dos idosos que vivem em asilos e o grupo de idosos brasileiros mais expostos ao risco de adoecer gravemente ou morrer”, diz em nota a petista.

“Aguardarei pacientemente a minha vez e quero adiantar que já estou com o braço estendido para receber a Coronavac”, acrescenta.

Dilma também rendeu homenagens ao SUS, ao Instituto Butantan, à Fiocruz e ao governo da China, “que proporcionou a parceria entre o estado São Paulo/Butantan e o laboratório Sinovac para a importação e a fabricação das vacinas em nosso País”.

CartaCapital

CartaCapital

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!