CartaExpressa

Cultura anuncia o desbloqueio de quase R$ 1 bilhão da Lei Rouanet

O dinheiro estava retido desde o início do ano passado pelo governo de Jair Bolsonaro

A nova ministra da Cultura, Margareth Menezes, em sua cerimônia de posse. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Cultura anunciou nesta quarta-feira 18 a liberação de quase 1 bilhão de reais em recursos da Lei Rouanet até o final de janeiro. A medida beneficiará 1.946 projetos culturais em todo o País, segundo a pasta.

Ao todo, serão liberados 968.376.281 reais que haviam sido captados como patrocínio a projetos artísticos. O dinheiro estava retido desde o início do ano passado pelo governo de Jair Bolsonaro (PL).

A Lei Rouanet permite que empresas e cidadãos que apoiem ações culturais deduzam parte do Imposto de Renda.

Também nesta quarta, o ministério prorrogou a validade de mais de 5 mil projetos inscritos na Lei de Incentivo à Cultura que estavam com prazos de captação vencidos e não tiveram os pedidos atendidos pela gestão Bolsonaro.

A pasta ainda declarou que, nos primeiros 18 dias de governo, a Secretaria de Economia Criativa e Fomento Cultural liberou aproximadamente 62 milhões de reais do montante de 968,3 milhões, a 353 projetos.

(Com informações da Agência Brasil)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar