CartaExpressa

CPMI cancela depoimento de blogueiro que tentou explodir bomba no Aeroporto de Brasília

Alan Diego dos Santos Rodrigues seria ouvido na manhã desta quinta-feira; uma nova data para a oitiva ainda não foi divulgada

Alan Diego dos Santos Rodrigues após ser preso pelo atentado em Brasília. Foto: Divulgação/Polícia Civil
Apoie Siga-nos no

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro cancelou o depoimento do blogueiro Alan Diego dos Santos Rodrigues, que estava marcado para esta quinta-feira 29.

O blogueiro é um dos envolvidos na tentativa de explodir um caminhão-tanque próximo ao Aeroporto de Brasília. Ele foi condenado pelo episódio, tido pelos parlamentares como um ato preparatório para o 8 de Janeiro.

Ele seria o terceiro envolvido no episódio a ser ouvido na CPMI, que já colheu os depoimentos do empresário George Washington de Oliveira Sousa e do blogueiro Wellington Macedo de Souza.

De acordo com a mesa diretora da CPMI, ainda não há nova data agendada para ouvir o depoimento, que foi aprovado após requerimento dos deputados Carlos Sampaio (PSDB-SP), Duarte Jr. (PSB-MA) e Duda Salabert (PDT-MG), além do senador Izalci Lucas (PSDB-SF).

A justificativa para chamar o blogueiro no colegiado foi de que, em depoimento à Polícia Federal, Rodrigues disse que recebeu o explosivo usado no atentado no acampamento que ficava em frente ao quartel general do Exército.

A sessão desta quinta também iria votar requerimentos de convocações de integrantes da Força Nacional e debater sobre a possível tomada de depoimentos de militares envolvidos na suposta reunião com o ex-presidente Jair Bolsonaro para tratar de golpe. Ainda não há confirmação se as deliberações, nestes casos, serão mantidas.

(Com informações de Agência Câmara)

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar