CartaExpressa

Conselho da Previdência reduz teto de juros do consignado e abre medida de exceção para o RS

Teto caiu de 1,68% para 1,66% ao mês

Reunião do Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS). Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS) aprovou, nesta segunda-feira 27, a redução do teto de juros cobrado em empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS.

Por 14 votos a 1, o teto para empréstimo consignado – o que é descontado diretamente na folha de pagamento – caiu de 1,68% para 1,66% ao mês. Essa é a oitava queda desde o início de 2023.

O conselho também determinou a queda do teto de juros para o cartão de crédito consignado. O valor de 2,49% foi reduzido para 2,46% ao mês.

Outro item aprovado pelo CNPS, na reunião de ontem, foi a definição de medidas voltadas à população atingida pelas enchentes históricas no Rio Grande do Sul.

Agora, quem recebe benefícios do INSS no estado vai poder “negociar a criação de uma carência nos descontos dos consignados de seus benefícios, numa espécie de suspensão, ou contratar um novo empréstimo que também poderá ter a carência de até 6 meses de modo a evitar o desconto imediato no benefício.”

Dessa forma, instituições financeiras vão poder negociar com os beneficiários a adoção de carência para que se possa contratar novos empréstimos consignados. A medida também vale para os casos de refinanciamento dos empréstimos que já existem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar