CartaExpressa

Comissão de Ética da Presidência vai à Justiça para retomar caso das offshores de Guedes e Campos Neto

A ação foi paralisada depois de o presidente do Banco Central obter uma liminar para suspender o processo

Roberto Campos Neto e Paulo Guedes, em evento no Banco Central do Brasil. Foto: Raphael Ribeiro/BCB
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Ética Pública da Presidência recorreu à Justiça Federal para retomar o processo que apura se o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e o ex-ministro da Economia Paulo Guedes mantêm offshores no exterior.

A ação foi paralisada no mês passado, depois de Campos Neto apresentar uma liminar para suspender o processo. A defesa do presidente do BC argumentou, com base na lei complementar de autonomia da instituição, que Campos Neto não poderia ser processado pela Comissão de Ética Pública da Presidência.

O órgão, então, recorreu da decisão da Justiça Federal do Distrito Federal, via Advocacia-Geral da União, reivindicando sua competência sobre o caso e a retomada do andamento do processo.

A suposta existência de offshores em nome de Campos Neto e Paulo Guedes foi revelada em 2021 pela investigação de um consórcio internacional de jornalistas, o Pandora Papers. O grupo tomou como base para a denúncia documentos vazados de 14 escritórios internacionais sobre abertura de empresas em paraísos fiscais. Desde então, o caso corre na Comissão de Ética.

À época, Guedes e Campos Neto informaram que as empresas não violam a legislação e foram declaradas à Receita Federal, à Comissão de Ética Pública e às demais autoridades brasileiras competentes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar