CartaExpressa,Justiça,Política

Com ganhos de R$ 4,5 mil, Carlos Bolsonaro comprou apartamento de R$ 150 mil em espécie

Com ganhos de R$ 4,5 mil, Carlos Bolsonaro comprou apartamento de R$ 150 mil em espécie

O vereador, que teve o sigilo bancário e fiscal quebrado, é alvo de investigação que apura contratação de funcionários fantasmas

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) é alvo de investigação do Ministério Público. Foto: Reprodução/Rio TV Câmara

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) é alvo de investigação do Ministério Público. Foto: Reprodução/Rio TV Câmara

Investigado no esquema da rachadinha, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) comprou um apartamento, em espécie, no valor de 150 mil na Tijuca, Rio de Janeiro, em 2003. Na época, o filho 02 do presidente Jair Bolsonaro tinha um salário mensal de 4,5 mil reais. Se o parlamentar tivesse acumulado seus ganhos desde que foi eleito em 2000, teria acumulado um montante de 180 mil reais.

A discrepância entre os valores ganhos pelo vereador e seus gastos constam na linha de investigação do Ministério Público do Rio, que apura a contratação de funcionários fantasmas pelo seu gabinete. A prática envolve a devolução total ou parcial do salário dos contratados.

O MP cita que Carlos utilizou grandes quantias de dinheiro em espécie ao longo dos seis mandatos consecutivos como vereador. Fazem parte da investigação: a compra do apartamento na Tijuca, em 2003; em 2009, o vereador entregou 15,5 mil reais, também em espécie, para cobrir um prejuízo que teve na bolsa de valores; e no último ano, Carlos declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter R$ 20 mil em espécie guardados em casa.

A investigação começou depois que foi revelada a contratação de familiares da ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro, madrasta de Carlos, Ana Cristina Valle, para funções no gabinete. Segundo levantamento do Globo, Carlos Bolsonaro empregou no total 17 pessoas com laços familiares no gabinete na Câmara do Rio, desde 2001.

Esta semana, a Justiça do Rio decretou a quebra de sigilo fiscal e bancário do vereador. Além de Carlos Bolsonaro, outras 26 pessoas tiveram seus sigilos quebrados e serão investigados por possível participação no esquema, inclusive Ana Cristina Valle, ex-mulher de Bolsonaro, e mãe de Renan Bolsonaro.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem