CartaExpressa

CNJ afasta desembargadora que fez postagens ofensivas contra Marielle Franco

Marília de Castro Neves Vieira ficará afastada por 90 dias, mas continuará recebendo salário

Nas redes sociais, desembargadora associou Marielle Franco a bandidos. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) afastou por 90 dias a desembargadora Marília de Castro Neves Vieira, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). 

Em decisão tomada nesta terça-feira 21, o órgão condenou a desembargadora em um processo disciplinar aberto em 2020, iniciado por conta de uma postagem de Marília de Castro Neves nas redes sociais.

Na publicação, a desembargadora do Rio de Janeiro afirmava que a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada em março de 2018, estaria envolvida com bandidos. Ela não apresentou nenhuma prova da sua alegação na rede.

Durante os 90 dias de afastamento determinados pelo CNJ, Marília de Castro Neves não poderá proferir decisões, nem participar de julgamentos. Ela, porém, continuará recebendo o salário integralmente.

O TJ-RJ ainda não se pronunciou sobre a decisão do Conselho.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.