CartaExpressa

Ciro Nogueira chama Santos Cruz de ‘general de pijama’ após críticas a Bolsonaro

O general afirmou que Bolsonaro não tem condições de ser líder da direita em oposição ao governo Lula

O ex-ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Casa Civil e senador eleito pelo Piauí Ciro Nogueira (PP) usou as redes sociais nesta quarta-feira 4 para criticar o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, para quem Jair Bolsonaro (PL) não tem condições de ser líder da direita em oposição ao governo Lula (PT).

“Ele não é de direita. É um extremista populista que só prejudicou e acarretou desgastes à direita. É um dos destruidores da direita e transferiu sua responsabilidade política para os militares”, disse Santos Cruz ao Estado de S. Paulo.

Nogueira reagiu à declaração referindo-se a Santos Cruz como ‘general de pijama’ e o acusando de ser ‘porta-voz utilitário da esquerda’.

“Quem prejudica a Direita, general de pijama, é quem se traveste de porta voz utilitário da esquerda fantasiado de conservador, mas nunca teve UM voto. Reconheça sua insignificância ao falar de líderes de milhões no Brasil”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.