CartaExpressa,Política

‘Ciro afasta eleitores de esquerda, mas não parece capaz de conquistar a direita’

‘Ciro afasta eleitores de esquerda, mas não parece capaz de conquistar a direita’

Ciro Gomes e Lula. Fotos: Evaristo Sá/AFP e Filippo Monteforte/AFP

Ciro Gomes e Lula. Fotos: Evaristo Sá/AFP e Filippo Monteforte/AFP

Manter a atual postura de ataques contra o ex-presidente Lula (PT) não é a estratégia mais frutífera para o provável candidato do PDT à a Presidência, Ciro Gomes. Esta é a avaliação do cientista político Claudio Couto, coordenador do Mestrado em Gestão e Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas.

Em entrevista ao canal de CartaCapital no YouTube, o especialista analisou os caminhos que se apresentam para as eleições de 2022.

 

 

“Essa estratégia dele [Ciro], no meu entendimento, é pouco provável que seja tão frutífera. Porque, ao bater no Lula da maneira como está batendo, de forma muito violenta, aliena uma boa parte do eleitorado mais à esquerda, que vai ficar com ‘birra'”, avalia Couto. “Quando ele dobra a aposta, me parece que a alienação desses setores em relação à candidatura do Ciro aumenta. E tenho dúvidas de que o Ciro vai conseguir conquistar o coração de uma parte desses eleitores mais à direita, sobretudo os de centro-direita e direita”.

Segundo Couto, esses eleitores “podem muito mais facilmente ser convencidos por alguém de um perfil mais propriamente à direita ou de um centro tradicional, uma figura do tipo Mandetta”. O ex-ministro da Saúde, filiado ao DEM, é apontado como possível postulante ao Planalto.

Diante desse quadro, analisa o cientista político, a ofensiva contra Lula pode render alguns votos para Ciro, mas não em número suficiente para torná-lo competitivo a ponto de desafiar os que, neste momento, se apresentam como favoritos: o próprio Lula e o presidente Jair Bolsonaro.

“De repente chega nos 10, 12%, mas acho pouco provável que ele vá muito além disso”, afirma Claudio Couto.

Assista à íntegra da entrevista:

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem